27 de jul de 2009

PARQUE DO GUARÁ EM DEBATE. COMPAREÇA!

O Plano de manejo é importante.
Será o primeiro passo para a implantação definitiva?



Em atenção à execução do serviço de consultoria contratado para a elaboração do PLANO DE MANEJO DO PARQUE ECOLÓGICO EZECHIAS HERINGER, conforme Termo de Cooperação Nº002/2008 firmado entre a empresa JC Gontijo Engenharia S.A. e o Instituto de Meio Ambiente e Recursos Hídricos do Distrito Federal - Brasília Ambiental (IBRAM), convidamos vossa senhoria para a 1ª Reunião com os Líderes Sociais Locais referente ao estudo ambiental em andamento.

A reunião terá o objetivo de orientar a execução dos estudos através da participação dos líderes comuntários e diversos usuários do parque, além de mostrar os resultados dos estudos já realizados.

PLANO DE MANEJO DO PARQUE ECOLÓGICO EZECHIAS HERINGER
DATA: 01 de agosto de 2009 (SÁBADO)
LOCAL: Auditório da Administração Regional do Guará
ENDEREÇO: Área Especial do CAVE - Guará II
HORÁRIO: 9h

GEOlógica - Consultoria Ambiental
http://www.geologicadf.com.br/

25 de jul de 2009

EM DEFESA DO PARQUE DO GUARÁ

CARREATA - 25/07
Concentração às 08h - Estacionamento
da igreja São Paulo Apóstolo QE 07, Guará I.

PARTICIPE!

INFORME A TODOS OS MOVIMENTOS AMBIENTALISTAS DO GUARÁ E DF

Caros moradores e ambientalistas;

Em virtude de inúmeras mensagens recebidas por este blog, faz-se necessários alguns esclarecimentos:

O MOVIMENTO EM DEFESA DO PARQUE ECOLÓGICO DO GUARÁ, conforme a primeira postagem descritiva de nossas atividades, é um movimento formado por antigos moradores que estão realmente preocupados com a defesa do Parque do Guará Ezechias Heringer, independente de siglas ou quaisquer outras denominações ou causas estranhas a causa do Parque.

Caso algum outro grupo ambientalista sério queira se manifestar ou comunicar-se, informamos que para isso existe nosso endereço de e-mail ( sosparqueguara@gmail.com ).

Respeitamos todos os movimentos que estejam engajados verdadeiramente na causa do parque e esperamos que todos se unam para que o Parque Ecológico Ezechias Heringer seja definitivamente implantado, sendo esta, uma antiga dívida do poder público para com todos os moradores do Guará.

A melhor forma do morador ou grupo ambienta participar é ajudando a mobilizar e comparecendo aos eventos no parque e aos que serão feitos fora do parque (seminários, palestas e mobilizações populares).

Caso algum movimento queira divulgar suas atividades e/ou contato, teremos prazer em fazê-lo pois este é um espaço democrático e livre para manifestações sérias em defesa da Reserva e do Parque do Guará, bem como a defesa da qualidade de vida no Guará e Distrito Federal.

Atenciosamente;

MOVIMENTO EM DEFESA DO PARQUE ECOLÓGICO DO GUARÁ

ECO ROCK GUARÁ

CLIQUE NO CARTAZ ABAIXO E VEJA A PROGRAMAÇÃO COMPLETA
PARTICIPE! O MOVIMENTO EM DEFESA
DO PARQUE ECOLÓGICO DO GUARÁ

APOIA TODAS AS AÇÕES EM PROL DO PARQUE.


21 de jul de 2009

REDE GLOBO - DFTV - Obra da Linha Verde na EPTG está soterrando o Córrego do Guará



Já não é mais possível ver o leito do córrego que passava por baixo da pista. Ambientalistas e moradores da região cobram a licença ambiental.


A obra começou há apenas um mês, mas já preocupa. O Córrego do Guará nasce dentro da reserva ecológica vizinha à Estrada Parque e deságua no Lago Paranoá. Nas fotos tiradas antes do início da obra, era possível ver parte córrego. Hoje, nem isso é possível. Foi tudo aterrado.

“A Linha Verde da EPTG é necessária para facilitar o fluxo do trânsito. Só que a gente precisa conciliar o desenvolvimento com a preservação ambiental”, alerta o representante da Sociedade Amigos do Parque do Guará, Guto Gomes.

Na Estrada Parque Taguatinga existe uma canalização que garante o curso das águas por baixo da pista. Mesmo assim, os moradores temem os efeitos da pavimentação da terceira via. Quando ela for asfaltada, o solo que hoje é naturalmente encharcado pode secar e, assim, o volume de água que vai para o Lago Paranoá vai diminuir.

“Ela está invadindo uma nascente e comprometendo toda uma bacia, que é a Bacia do Paranoá. Nós queremos saber da licença e da compensação ambiental. Por lei, devemos saber disso. Nós moramos no Guará e ainda temos um meio ambiente preservado. E por conta dessa obra, estamos nos sentindo ameaçados”, reclama o vice-presidente comunitário do Guará, Walterman Gama.

Por falar nisso...

Em nota, o Instituto Brasília Ambiental (Ibram) afirmou que pegou o processo de licenciamento da área já em andamento. Antes, estava sobre a responsabilidade do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente (Ibama). Mesmo assim, O Ibram afirmou que conhece o problema e que já pediu a recuperação do córrego e do parque ao GDF.

Lanusse Martins / Lázaro Aluísio

BOA OPORTUNIDADE PARA INCLUIR A IMPLANTAÇÃO DO PARQUE NO ORÇAMENTO!!!

Como sempre, quase não foi divulgado! Vamos comparecer e cobrar a implantação do parque e sua inclusão no orçamento de 2010!

http://www.guara.df.gov.br/

Lei Orçamentária Anual – 2010

Processo de Elaboração

Participe!

A Secretaria de Estado de Planejamento e Gestão vai promover audiência pública com o objetivo de discutir e absorver sugestões sobre o Projeto de Lei Orçamentária Anual – PLOA, para o exercício de 2010.

Data: 23 de julho de 2009
Horário: das 9h às 12h
Local: Auditório da Escola de Governo do DF – Setor de Garagens Oficiais, Área Especial nº 01, próximo ao Detran-DF.

20 de jul de 2009

ONGs atacam "desmonte" ambiental no governo Lula

A atual tentativa de "desmonte" da legislação ambiental brasileira não permite a comemoração deste Dia Mundial do Meio Ambiente. A opinião é de 23 entidades ambientais de peso. Em nota divulgada ontem, elas afirmam que este é um momento de preocupação e pesar.

O motivo da inquietação são as medidas do Executivo e do Legislativo, já aprovadas ou em processo de aprovação, que "demonstram claramente que a lógica do crescimento econômico a qualquer custo vem solapando o compromisso de construir um modelo de desenvolvimento socialmente justo, ambientalmente adequado e economicamente sustentável".

Os problemas mais graves começaram em novembro do ano passado, afirmam. O governou criou um decreto que elas dizem pôr em risco a maior parte das cavernas brasileiras e baixou impostos para a produção de carros sem exigir a melhora nos padrões de consumo de combustível (diferentemente do que fez o presidente dos EUA, Barack Obama).

Para as entidades, porém, a situação mais grave refere-se à medida provisória 458, que trata da regularização fundiária na Amazônia e foi aprovada anteontem pelo Senado.A medida irá permitir que 67,4 milhões de hectares de terras públicas da União na Amazônia -equivalente aos territórios de Alemanha e Itália somados- sejam doados ou vendidos sem licitação, até o limite de 1.500 hectares.

"A título de regularizar as posses de pequenos agricultores ocupantes de terras públicas federais na Amazônia, [a medida] abriu a possibilidade de legalizar a situação de uma grande quantidade de grileiros, incentivando o assalto ao patrimônio público, a concentração fundiária e o avanço do desmatamento ilegal", afirma a nota.

Para Paulo Barreto, do Imazon, a regularização é necessária. Entretanto, diz, a medida aprovada, em vez de beneficiar somente a população carente, gerará inúmeras distorções.
Segundo ele, a tentativa de desmontar a legislação ocorre em parte porque o presidente Luiz Inácio Lula da Silva "no fundo não liga para a área ambiental" e também, porque tem interesse eleitoral em acelerar obras -e os controles ambientais atrapalharam o processo. As entidades também reclamam que há um ano não são criadas novas unidades de conservação. Há várias propostas paradas na Casa Civil. Informações da Folha.

Da Redação, Blog em 05/06/2009 - 08:44:43

"ILHA DA FANTASIA" AO CUSTO DE 20 MILHÕES


MAIS UM PROJETO ELEITOREIRO: AO INVÉS DE PARQUES, PISCINÃO PARA O POVÃO, HÁ UM ANO DAS ELEIÇÕES, CHAMADO DE "A PRIMEIRA PRAIA DE BRASÍLIA". PORQUE NÃO REFORMA A PISCINA COM ONDAS? GOVERNADOR: CADÊ O PARQUE DO GUARÁ?

Em notícia divulgada pelo Correio Braziliense e pelo jornal "Balanço Geral," o GDF anuncia um projeto, que já está em fase final de elaboração, de um grande piscinão, semelhante ao famoso PISCINÃO DE RAMOS, no Rio de Janeiro.

Atualmente, a área que recebia apenas 1000 pessoas e que não contava com nenhuma infra estrutura, passou a receber pequenas benfeitorias, equipamentos públicos e inclusive salva-vidas, tudo para convercer a população da viabilidade do projeto (que prevê público de 30.000 pessoas) pois, até o momento, a população desconhecia tal projeto que como a maioria das ações do GDF, não tem ampla divulgação.

Segundo escrito na própria matéria do Correio Braziliense: "...A previsão é que as obras sejam licitadas em setembro e comecem em outubro deste ano. A entrega do novo balneário candango deve ocorrer em abril de 2010, mês de comemoração dos 50 anos de Brasília."

O Subsecretário de meio ambiente está encarregado do projeto, onde justifica dizendo que fará audiência pública com a população e confirmando que o projeto é voltado principalmente ás famílias de menor poder aquisitivo.

Porém, uma moradora
da QI 10 do Lago Norte, a publicitária Bruna Daibert, 28, apoia a iniciativa de construir uma área de lazer mais estruturada. No entanto, ela, que já nadou perto do piscinão, considera que o público esperado é um exagero de planejamento. "Acho que é meio megalomaníaco uma piscina que recebe 30 mil pessoas. Essa intervenção pode piorar a qualidade da água e atrapalhar os praticantes de esportes aquáticos", argumenta.

Vale lembrar que, se o GDF quer que o povo do DF sinta a sensação de estar na praia, basta apenas reativar a piscina com ondas que há anos está abandonada no Parque da Cidade, e além disso seria muito melhor para o povo frequentar visto a proximidade com o metrô , e também custaria bem menos que os absurdos 20 milhões para mais uma obra. Seria também mais um investimento em um parque da cidade.

Ministério Público não sabia da obra

O Ministério Público enviou também, no início de abril, recomendação à Administração do Lago Norte para que suspendesse as obras até que o licenciamento fosse concedido. O anúncio da construção do estacionamento pegou de surpresa a promotora Márcia Milhoni, da Prodema. ‘‘A Semarh tem de ser consultada’’, adverte.

O licenciamento depende do resultado da perícia ambiental feita pela pela Semarh no local e também pelo Instituto de Criminalística da Polícia Civil, a pedido do Ministério Público. O resultado dos laudos ainda não saiu. ‘‘Se a obra está embargada, não faz sentido a construção de um estacionamento antes que a situação esteja regularizada’’, acredita a presidente do Movimento Ecológico do Lago, Dolores Pierson.

Não precisamos de uma ilha da fantasia, precisamos de qualidade de vida, segurança e saúde, precisamos de mais parques no Distrito Federal. Governador, reforme a piscina de ondas e com o que sobrar, implante definitivamente o PARQUE DO GUARÁ.

18 de jul de 2009

A voz do povo...


Comentário postado no Blog da Paola, em relação a política de Parques no DF (ou a ausência dela):
http://www.blogdapaola.com.br/?p=4801#comments

Nossa! Paola, quanto descaso com o povo de Brasília… Antes criaram legalmente do Parque Ecológico do Noroeste (Parque dos Índios) que seria um parque da asa norte para preservar e dar qualidade vida aos brasilienses que ali moram, agora será um grande canteiro de obras. Ganha um doce quem acertar quem foi beneficiado. Outro parque ecológico que pertencia a Marinha do Brasil próximo ao Sudoeste entrou numa grande negociata que em breve transformará também num outro canteiro de obras. Aguardem! Quem viver verá. Ainda bem que o nobre deputado Rodrigo Rollemberg alerta a sociedade para o descaso desse governo provisório com o programa “Abrace um Parque”. O brasiliense não é tolo. Chega de tanta mazela. Acordem para a realidade, prestem bem atenção. Chamo a atenção dos amantes da natureza, dos que curtem os “Parques em Brasília” que tomem cuidado para não abraçar certas causas de alguns espertalhões verdes. Eles arrudeam o poder para depois desafetar as áreas públicas transformando em grandes projeções. Quem que será beneficiado? Lógico! POsitivo! Ganha outro doce se acertar. Tomara que esse governo irresponsável termine logo e não tenha tempo de lotear o Parque da Cidade.

Marcão da Rodoviária


Parque do Guará: mais uma vítima do descaso das
autoridades:
no mapa de zoneamento do PDOT, o
Parque simplesmente
"sumiu" e passou a ser
considerado área urbana" desconsiderando
as
diversas leis que protegem esta área
ambiental e até o momento,
nenhum jornal
ou autoridade pública mostrou ou esclareceu este fato.




VERGONHA: GDF INVESTE APENAS 1,8%
DO ORÇAMENTO EM MEIO AMBIENTE
.
PPP (parceria público-privada) não é a saída.
O GDF é que precisa
ter vontade
política, investir mais no meio ambiente do
Distrito Federal
e implementar definitivamente
o Parque do Guará, bem como todos os

65 parques do DF, que estão completamente
abandonados.
População é quem sai perdendo.
Resta saber quem sai ganhando...

16 de jul de 2009

PARQUE DO GUARÁ: Vergonha II


FALANDO EM POLÍTICA - MÁRCIA FERNANDEZ
http://www.jornaldoguara.com.br

“Chácaras” são legalizadas e pessoas que receberam lotes em governos anteriores para saírem de lá, voltaram quando surgiu a possibilidade de regularização prometida e efetivada pela Câmara Legislativa.

É só o GDF realizar um trabalho sério como faz em outros lugares e vai descobrir “as chácaras” legalizadas. Tinha até depósitos e bombas para abastecimento de caminhões das frotas dos “pobres invasores”. Tem até clube social, que desmatou, colocou asfalto invadiu, invadiu, invadiu e continua lá fazendo “torneio” de pássaros que cantam para justificar as churrasqueiras. Qualquer dia deste surge a piscina. Estou falando de um lugar onde era apenas um galpão para criadores de pássaros do DF. Na EPTG. Não dava nem para ver. Hoje....

13 de jul de 2009

A FERIDA CONTINUA EXPOSTA, COMO SERÁ TRATADA?

Linha verde que de verde não tem nada!

Vejam o tamanho do buraco cheio de água acumulada do carrego do Guará!
Ao lado da EPTG, como já denunciamos anteriormente.



No sábado, a CEB foi vista desligando a energia elétrica para retirada dos postes. Isso significa que as obras que pareciam suspensas, vão ser retomadas...

Com a ampliação da pista, os carros vão passar a poucos metros do córrego do Guará, a drenagem também irá comprometer o fluxo de água, repercutindo em todo o trecho.

Perguntamos:
Em que condições essas obras serão retomadas?!
O que está sendo feito para evitar tantos danos?!
..

9 de jul de 2009

População não sabe o que é PDOT, PDL e não concorda com o inchaço da cidade nem com a desapropriação do parque protegido por lei. VEJA OS 2 VÍDEOS



No vídeo acima Ivelise Longhi diz que teve audiência pública (que obviamente não foi amplamente divulgada) e que esse PDL (Plano Diretor Local) atende ao anseio da comunidade, o que não é verdade. No vídeo abaixo mostra entrevista com moradores dizendo que a grande maioria do Guará não sabe de nada, e sobre a questão de terem mais de uma família morando em um imóvel no Guará, isso não significa déficit habitacional, essa prática sempre ocorreu, como forma alternativa de rendimento para algumas famílias que optam por alugar os fundos da casa, e as autoridades usam essa informação de forma deturpada, apenas como pretexto para justificar essa grande quantidade de construções no Guará que, não atenderá a população local mas sim atenderá gente que virá de fora e atenderá também ao lucro das empreiteira.

Essa histórias de que o Guará está crescendo é falácia para justificar tantas construções aqui. O Guará tem um crescimento muito menor do que o que dizem. O que ocorre na verdade é um explicito adensamento com a pura finalidade de lucro, desconsiderando completamente a votade de todos os moradores da cidade, que está sendo adensada a revelia da população local. E ainda por cima, ao invés de implantarem o parque, querem é entregá-lo para o mercado imobiliário.

7 de jul de 2009

DEPUTADOS, não esquecemos de vocês e de seus votos contra o Parque Ecológico do GUARÁ

.
Quando no dia 16 de Junho os deputados se reuniram na calada da noite para votar a derrubada do veto ao artigo 285 do PDOT, a comunidade do Guará seguia seus dias, um pouco mais tranquila, pois o famigerado artigo havia sido derrubado pelo GDF. Não sendo avisada sobre a votação e muito menos sobre o horário do que estava sendo planejado, não teve condições de se manifestar em um local teoricamente do povo, a Câmara Legislativa. Local onde trabalham os Deputados e Deputadas Distritais eleitos e eleitas para supostamente fazer o bem para nossa cidade e não para cooperar com a sua destruição (lembrando: eles são pagos com o nosso dinheiro! Aliás, muito bem pagos e com aumento salarial recente, aprovados por eles mesmos).

A indagação é: do mesmo modo que parecem legislar em causa própria quando se trata das suas remunerações, estariam eles também legislando em causa própria ao se tratar do Parque Ecológico do Guará? Qual é o interesse de cada um dos Senhores Deputados em ir contra o meio ambiente? Será a especulação imobiliária? O Guará suporta esse famigerado adensamento populacional? E o caótico trânsito? Eles não precisam de um bom ar para respirar, como todos nós? Em tempos de aquecimento global, o clima, como fica?

Outra pergunta: e os deputados ausentes? Onde estavam? Por que não participaram da votação? Por que não estavam presentes e se manifestaram como fizeram os demais? Apenas dois deputados votaram contra a derrubada do veto! De 24, apenas 2 a favor do parque ecológico do Guará - Ausentes: 8 e contra o Parque Ecológico do Guará: 14! Por quê?

Abaixo mostramos quem é quem nesse processo, pois nós precisamos ter clareza sobre como a Câmara Legislativa trabalha e quais os interesses que os Deputados e Deputadas defendem. Pelo visto, a maioria não está muito interessada na causa do meio ambiente e consequentemente na causa da população.



Clique na imagem para ampliar.

5 de jul de 2009

Mais de 800 pessoas no Parque do Guará


A derrubada do veto às emendas que protegem os chacareiros do Parque do Guará serviu como injeção de ânimo para a comunidade guaraense defender seus direitos. Cerca de 800 pessoas participaram no sábado passado (27 de junho) de uma caminhada para protestar contra a derrubada do veto e exigir providências do governo para a implantação definitiva do Parque.
Lideranças comunitárias, ambientalistas, políticos, estudantes e membros da sociedade civil portavam cartazes, faixas e discursavam contra a decisão dos deputados distritais de aprovar as emendas que permitem a transformação de parte do Parque em área rural e a consequente fixação dos chacareiros.

Você conhece essa flor?

.
Conhecida popularmente como Caliandra, é uma linda flor do cerrado. As flores acima foram encontradas no Parque Ecológico do Guará. Você sabia que existem essas flores e tantas outras bem perto de você? Nós podemos conviver com elas e sem destruí-las, mas não é isso que está acontecendo lá dentro do parque. Pessoas e animais já destruíram muitas delas, pisoteando e retirando para as construções e até mesmo para depósito de lixo. Nessa região, como em toda a Brasília, o desmatamento já foi feito para a construção das cidades, para que pudéssemos morar aqui, e restou aquela pequena faixa de cerrado para preservação dessa e de tantas outras espécies, que mostraremos nesse blog posteriormente e convidamos a comunidade a conhecer de perto. A perguta é: é justo destruir aquele espaço? É justo o asfalto sobre toda essa beleza e diversidade tão importante para todos nós? A modernidade, a tecnologia, as cidades são importantes, mas a natureza é fundamental para que tenhamos qualidade de vida e para nossa sobrevivência. Não vamos aceitar o parcelamento do parque e nem que futuramente possam construir alí prédios e mais prédios! Vamos preservar esse espaço para que no futuro nossos filhos, netos e todas as outras gerações possam conhecer essa flor e tantas outras espécies com risco de extinção e que existem no Parque do Guará. Vamos lutar pelo Parque, pelo bem das Caliandras...
.

2 de jul de 2009

Caminhada Ecológica reúne moradores no Parque Ecológico do Guará


Cerca de 500 pessoas participaram da Caminhada Ecológica em defesa do meio ambiente e pela implantação do Parque Ecológico Hezechias Heringer, conhecido pela população como Parque do Guará. O evento reuniu estudantes, professores, moradores e representantes de diversos movimentos sociais que realizaram uma caminhada pelas trilhas do Parque na manhã de 27/06.

“Nunca imaginei que a gente pudesse ter um lugar tão bonito perto de casa”, disse Renata Alves, moradora da QI 19, que promete visitar o parque mais vezes. “Vou convidar meus vizinhos pra conhecerem este local”.

Após a caminhada, animados pelo carro de som, os participantes ainda tiveram fôlego e disposição para passeata e carreata pelas ruas do Guará, com o objetivo de chamar atenção da população da necessidade de mobilização em defesa do Parque.





PARCELAMENTO DO PARQUE TEM INÍCIO. UM NOVO "PÓLO DE MODAS" OU MAIS UM "ATO SECRETO" DO EXECUTIVO LOCAL?

Está comprovada a manobra do GDF e da Câmara Legislativa para parcelar o Parque Ecológico do Guará:

No dia seguinte a derrubada do veto ao Artigo 285, do PDOT, na Câmara Legislativa (16/06), o governador Arruda assina o decreto Nº 30.469, de 17 de junho de 2009, que aprova o parcelamento urbano da área ao lado do PARKSHOPPING. Há poucos anos atrás, essa área fazia parte do Parque Ecológico do Guará e não deveria ter sido transformada em parcelamento pois está dentro da área do parque conforme antigo PDL do Guará - Plano Diretor Local - e também de acordo com mapa da SEDUMA - Secretaria de Estado de Desenvolvimento Urbano e Meio Ambiente (http://www.seduma.df.gov.br).

Neste decreto, assinado no dia seguinte a votação dos artigos vetados do PDOT na Câmra Legislativa, o governador Arruda
destina esta área para "PARCELAMENTO FUTURO", constistuindo mais um verdadeiro golpe do governo para adensamento urbano exagerado no Guará, medida elaborada na calada da noite e sem o conhecimento (e aprovação) da população do Guará, o que acarretará em sérios problemas quanto ao trânsito, aumento da violência e sobrecarga da atual infra estrutura da cidade (leia abaixo a redação constante no PDOT que trata dessa área):

PDOT
SEÇÃO 1
Da Estratégia de Dinamização de Espaços Urbanos
Art. 109
-
-
§ 2º Na área denominada no PDL do Guará como Área de Parcelamento Futuro – ARPA, localizada na parcela definida ao norte pelo Lote 6580 do SMAS, Trecho 1, atual ParkShopping, a leste pela Via EPIA, ao sul pela Via EPGU e a oeste pela via de acesso ao ParkShopping, serão admitidos os usos comercial e habitacional, ficando estabelecido coeficiente de aproveitamento máximo igual a 2 (dois) e altura máxima das edificações de 26m (vinte e seis metros).

ESSE É O GOVERNO QUE TEMOS HOJE: INCHA AS CIDADES POR MEIO DE DECISÕES FEITAS AS ESCONDIDAS, SEM A DEVIDA DISCUSSÃO COM AS COMUNIDADES COMO MANDA A LEI, EM BENEFÍCIO DE EMPRESÁRIOS E GRUPOS ECONÔMICOS!
OS MORADORES DO GUARÁ SÃO CONTRA
ESSE ADENSAMENTO DESENFREADO NA CIDADE!
QUEREMOS MAIS QUALIDADE DE VIDA!
QUEREMOS O PARQUE ECOLÓGICO DO GUARA!




A via de acesso (mapa acima) ao Parkshopping há anos foi construída dentro da área do Parque, sendo a área ao lado bastante cobiçada para empreendimentos imobiliários que, neste governo, está sendo colocado em prática seu projeto que faz parte do adensamento desenfreado da região, por meio do artigo 109 do PDOT e do decreto Nº30.469 assinado pelo governador Arruda, tudo isso sem a devida discussão com a comunidade local e sem a devida divulgação. Inclusive antes da aprovação do PDOT e do decreto, o shopping ao lado já havia anexado dois estacionamentos a sua área de uso, sem qualquer objeção por parte da Administração Regional do Guará, que não se posiciona claramente sobre este e muitos outros assuntos relacionados ao Parque Ecológico do Guará.

Baixe o pdf no link (decreto na página 2):

REPUBLICAÇÃO DO DECRETO (Original publicado com erro, conforme justificação no documento do link abaixo - (*) Republicado por haver saído com erro no original publicado no DODF nº 116, de 18 de junho de 2009, página 01.)

http://www.buriti.df.gov.br/ftp/diariooficial/2009/06_Junho/DODF%20118%2022-06-09/Se%C3%A7%C3%A3o01-%20118.pdf

1 de jul de 2009

A FERIDA EXPOSTA


Passando hoje cedo pela EPTG pode-se observar que no trecho onde as obras atingem o Parque Ecológico do Guará, existe uma piscina! A água das nascentes e do próprio córrego Guará que passa pelo local, acabou sendo acumulada no buraco feito pelas máquinas! O solo daquele local é totalmente hidromórfico.Talvez um especialista em água, como o Elói Guimarães (UnB), possa falar sobre esse desastre... Será que o empreendimento da Linha Verde tem um Estudo de Impacto Ambiental decente? Aliás, todo mundo vê a Linha Verde apenas como a solução para os problemas do trânsito, mas aquilo ali de "verde" não tem nada!!!

Não vamos nos calar frente a todos esses crimes ambientais e exigir que o GDF pare de causar tantos danos ao Parque Ecológico do Guará!
.