7 de abr de 2010

Após catástrofes, Lula admite: "É necessário repensar a construção das cidades"

Só agora ele percebeu, logo ele que mora em Brasília, onde o PDOT e o PDL foram votados a toque de caixa e entregue ao mercado imobiliário, devastando o meio ambiente e inchando a cidade. Hoje vemos alagamentos até na capital do país, a "cidade do futuro", algo impensável para uma cidade com apenas 50 anos.

"A cachoeira de Brasília!"


Brasil: Urbanização selvagem responsável pelo agravamento da catástrofe

2010-04-07 17:46:37

Brasília – Lula da Silva admite necessidade de rever construção das cidades para se evitarem situações de deslizamentos de terras semelhantes aos dos últimos dias.
Já subiu para 105 o número de vítimas das chuvas torrenciais no estado do Rio de Janeiro. Esta quarta-feira a chuva já abrandou mas a circulação continua bastante condicionada no Rio de Janeiro, uma cidade lançada no caos, onde já choveu, desde segunda-feira, o suficiente para encher 300 mil piscinas olímpicas.

A construção em locais que apresentam risco de derrocada é agora encarada com menos leviandade. Existem cerca de 10 mil casas em áreas de risco, envolvendo cerca de 50 mil pessoas, segundo as autoridades. O Presidente Lula da Silva alertou já para o facto de ser necessário «repensar o alojamento das populações mais pobres», pois são as pessoas das camadas sociais mais baixas as mais afectadas nestas alturas.

«É necessário repensar a construção das cidades», acrescentou ainda o Presidente brasileiro, à medida que aumenta o número de mortos. As declarações do secretário municipal de Conservação, Carlos Roberto Osório, vão também neste sentido alegando que «não há sistema de drenagem que dê jeito à chuva que caiu no Rio desde ontem» mas que é necessário levar a cabo «algumas reformas estruturais».

(c) PNN Portuguese News Network