20 de jul de 2009

"ILHA DA FANTASIA" AO CUSTO DE 20 MILHÕES


MAIS UM PROJETO ELEITOREIRO: AO INVÉS DE PARQUES, PISCINÃO PARA O POVÃO, HÁ UM ANO DAS ELEIÇÕES, CHAMADO DE "A PRIMEIRA PRAIA DE BRASÍLIA". PORQUE NÃO REFORMA A PISCINA COM ONDAS? GOVERNADOR: CADÊ O PARQUE DO GUARÁ?

Em notícia divulgada pelo Correio Braziliense e pelo jornal "Balanço Geral," o GDF anuncia um projeto, que já está em fase final de elaboração, de um grande piscinão, semelhante ao famoso PISCINÃO DE RAMOS, no Rio de Janeiro.

Atualmente, a área que recebia apenas 1000 pessoas e que não contava com nenhuma infra estrutura, passou a receber pequenas benfeitorias, equipamentos públicos e inclusive salva-vidas, tudo para convercer a população da viabilidade do projeto (que prevê público de 30.000 pessoas) pois, até o momento, a população desconhecia tal projeto que como a maioria das ações do GDF, não tem ampla divulgação.

Segundo escrito na própria matéria do Correio Braziliense: "...A previsão é que as obras sejam licitadas em setembro e comecem em outubro deste ano. A entrega do novo balneário candango deve ocorrer em abril de 2010, mês de comemoração dos 50 anos de Brasília."

O Subsecretário de meio ambiente está encarregado do projeto, onde justifica dizendo que fará audiência pública com a população e confirmando que o projeto é voltado principalmente ás famílias de menor poder aquisitivo.

Porém, uma moradora
da QI 10 do Lago Norte, a publicitária Bruna Daibert, 28, apoia a iniciativa de construir uma área de lazer mais estruturada. No entanto, ela, que já nadou perto do piscinão, considera que o público esperado é um exagero de planejamento. "Acho que é meio megalomaníaco uma piscina que recebe 30 mil pessoas. Essa intervenção pode piorar a qualidade da água e atrapalhar os praticantes de esportes aquáticos", argumenta.

Vale lembrar que, se o GDF quer que o povo do DF sinta a sensação de estar na praia, basta apenas reativar a piscina com ondas que há anos está abandonada no Parque da Cidade, e além disso seria muito melhor para o povo frequentar visto a proximidade com o metrô , e também custaria bem menos que os absurdos 20 milhões para mais uma obra. Seria também mais um investimento em um parque da cidade.

Ministério Público não sabia da obra

O Ministério Público enviou também, no início de abril, recomendação à Administração do Lago Norte para que suspendesse as obras até que o licenciamento fosse concedido. O anúncio da construção do estacionamento pegou de surpresa a promotora Márcia Milhoni, da Prodema. ‘‘A Semarh tem de ser consultada’’, adverte.

O licenciamento depende do resultado da perícia ambiental feita pela pela Semarh no local e também pelo Instituto de Criminalística da Polícia Civil, a pedido do Ministério Público. O resultado dos laudos ainda não saiu. ‘‘Se a obra está embargada, não faz sentido a construção de um estacionamento antes que a situação esteja regularizada’’, acredita a presidente do Movimento Ecológico do Lago, Dolores Pierson.

Não precisamos de uma ilha da fantasia, precisamos de qualidade de vida, segurança e saúde, precisamos de mais parques no Distrito Federal. Governador, reforme a piscina de ondas e com o que sobrar, implante definitivamente o PARQUE DO GUARÁ.