18 de ago de 2009

REPORTAGEM DO CADERNO BRASÍLIA - JORNAL HOJE EM DIA/2009

JORNAL HOJE EM DIA - CADERNO BRASÍLIA2/8/2009 - PÁGINA 20

MEIO AMBIENTE
BRASÍLIA EM DEFESA DO VERDE
Comunidade deseja preservar áreas de cerrado da cidade
CAMILLA CHINODA - REPÓRTER


Basta fazer uma visita ao Parque da Cidade e ao Parque Olhos D'água (Asa Norte) no final de semana, para ver como os brasilienses valorizam esses fragmentos de verde preservados dentro da área urbana. Sempre cheios, além de serem importantes pontos de lazer da comunidade, os parques ainda ajudam a amenizar o microclima das localidades para toda a população do Distrito Federal. Por isso, moradores e ambientalistas estão se unindo em defesa de mais duas áreas de cerrado: o Parque das Sucupiras, no setor Sudoeste, e o Parque Ezechias Heringer, também conhecido como Parque do Guará.

"A situação desses dois parques é um pouco diferente, mas eles possuem um grande ponto em comum: o desejo dos brasilienses de manter as áreas verdes que restam na cidade", explica a geógrafa e presidente da fundação Sustentabilidade e Desenvolvimento (SD) Mônica Veríssimo. Segundo ela, o Distrito Federal já perdeu quase 70% de sua cobertura vegetal original.

A situação do Parque do Guará é mais antiga. Há anos os guaraenses travam uma luta contra chacareiros que se instalaram dentro da poligonal do parque. Segundo a administração do Ezechias Heringer, atualmente são 77 famílias morando em situação irregular. Um estudo realizado pelo Centro de Excelência em Turismo (CET) da UnB mostra que a presença desses moradores trouxe danos ambientais ao cerrado. Desmatamento e lixo são exemplos.

A derrubada do veto do governador José Roberto Arruda à emenda 285 do PDOT pela Câmara Legislativa do DF, foi a gota d'água para a comunidade, que defende a real implantação do parque. A emenda permite que os chacareiros fiquem no local, e o próprio Ministério Público havia indicado o veto. "Os 18 deputados que derrubaram o veto legalizaram a degradação total do parque. Eles não têm compromisso nem com o meio ambiente nem com a comunidade", reclama Getúlio Cardoso Pereira, morador do Guará e membro do Comitê de Implantação dos Parques.

O deputado distrital Geraldo Naves (DEM-DF), autor da emenda, defende a decisão. "Isso não significa permanência, mas sim que os chacareiros estão abertos a negociação. Eles estão dispostos a sair desde que tenham para onde ir", afirma Naves.

O presidente do Instituto Brasília Ambiental (Ibram) Gustavo Souto Maior, no entanto, admite que essa decisão pode causar a diminuição da poligonal. "Se as 77 famílias ficarem, isso deve reduzir o parque à metade. Estamos estudando o que fazer", diz.